Monday, April 21, 2008

Usado

Um poema de Aida Monteiro que tirei do blogue o perfil da casa, o canto das cigarras.


usado, pode ser um bocadinho
desse papel branco. é só para apontar
uma ideia: nas ruas as pessoas tropeçam menos
quando nos encontramos. as janelas
lá ao longe parecem agora tão pequeninas.
lembro-me de quando parámos a rir
respirámos por uns segundos sem nos olharmos
nos olhos e voltámos a rir e a redobrar o riso
até que demos as mãos, vimos a estrada.
uma ideia dessas, daquelas que demoram
a crescer nas sebentas e depois adoecem rápido
naquele dia pensei que estaríamos sós:
o barco sem ninguém, só o coração e o peso
dos sacos. depois os pés quase a tocar o rio.
mais tarde o eléctrico e o teu sorriso
ainda a arder nos meus olhos, a caminho de casa.

2 comments:

aida monteiro said...

trago palavrinhas um pouco atrasadas e peço-lhe desculpa por não ter respondido de imediato. não sabia como dizer-lhe que fiquei com muitos sorrisos.

obrigada, muito obrigada pelo miminho:)

um abraço, João.

J. Camilo said...

you are welcome, aida... gosto dos seus poemas...

um abraço.

jc