Tuesday, January 30, 2007

nada.niente

não podes falar e as palavras saem-te da boca
não há nada a dizer tu não tens nada a dizer se

parece que dizes alguma coisa é apenas porque
as palavras não escapam nunca ao sentido nem

sequer quando aquele que as diz ignora o que faz
não sabe o que diz não tem nada a dizer não quer

sobretudo dizer nada preferia que não o ouvissem
porque os sons que ele pronuncia são ruídos são

queixas são uma forma de perplexidade ou de dor de
impotência ou de desespero mas não há nada a dizer

sempre se ausentam aquelas que nós amamos como se
escapam das palavras os sentido que lhes inventaram

ele fala sozinho na casa deserta imita por não saber
consolar-se de outra maneira as frases que aprendeu

confuso refugia-se no corpo quente e vazio da
linguagem e lá dentro no seu simulado ventre de

mãe ele morre as palavras falam por ele ainda como
se houvesse alguma coisa a dizer como se ele pudesse

ainda dizer alguma coisa como se dizer alguma coisa
fosse útil ou tivesse sentido nos salvasse da perdição

nos fizesse regressar a alguma ilha ou terra ainda firme

No comments: