Wednesday, December 06, 2006

Sabedoria

Quem não sonha, como pode suportar o peso dos dias? Vejo os jovens passar na rua, eles sorriem, move-os o desejo e a esperança. Quem não espera, como poderia sair de casa de manhã e ir ao encontro do sol que ilumina as ruas da cidade e fere os olhos com a sua luz crua? A história da humanidade é a história das nossas ilusões. Na idade madura olhamos para trás e é às vezes difícil entender por que nos alegrámos tanto com acontecimentos em que já se anunciava, obscuramente, a falta de sentido de tudo. Mas o passado é o passado, agora temos uma sabedoria nova. Sabedoria: ramos da árvore do erro, excrescência da incapacidade de viver. Quem entende realmente o seu presente? Quem entende realmente o seu passado? Sucedem-se as manhãs, as noites que aterrorizam os exilados solitários, as estações do ano e da existência. Aprendemos a morte devagar, às vezes fere-nos já como uma lâmina aguçada o pressentimento do futuro. Uma brisa suave corre na esplanada do café, ouve-se uma música banal, passam de bicicleta os estudantes. É o fim da tarde, são horas de ir para casa.

SB, 23 de Outubro de 1994

No comments: