Tuesday, December 19, 2006

Quem tem coragem

Lemos e ouvimos, mas entendemos?
Nem às palavras que dizemos atribuímos
todo o sentido que podem ter, uma parte
da intriga escapa à nossa consciência. Quem
poderia com atenção debruçar-se sobre todos
os sons, deixar vibrar em si todos os nervos
por onde se transmite o sentido? Aspiramos
à verdade, ao encontro. Quantas verdades
poderíamos suportar, quantos encontros?
Aquele que não possui, na solidão imagina
que deseja possuir. Pouco, porém, basta
muitas vezes para contentar a insatisfação.
E ele afasta-se, cansado, do lugar
onde parecia ter-se revelado ao espírito
a promessa da esperança. O tédio, a
ausência
de nós em nós. Porque nos
contaram
histórias em que o herói ia
de episódio em
episódio ao encontro
de uma conclusão? Não
há, senão por
engano, conclusão. Decidimos
parar e
paramos, acaba a ficção. Mas de novo

podemos recomeçar, basta decidir. O amor,
como uma asa que se desprendeu do pássaro
que no céu desenhava curvas elegantes, partiu
à deriva. Um movimento louco, sem sentido.
Tímido, aquele que se sente perdido do seu
destino e receia a catástrofe e o erro, foge
para casa e refugia-se no canto mais invisível,
na sombra. Nos filmes a preto e branco dos
tempos antigos o rosto das mulheres tem
uma gravidade comovente; e a paixão é
verdadeira, mais convincente do que na
vida real; amar, consequentemente, é
possível. Aquele que já esqueceu o calor
de um corpo, o privilégio do desejo, diz
para si próprio: é uma questão de tempo
e de paciência, saber esperar é uma virtude.
Recusa-se às possibilidades. Porquê?
Mantém teimosamente o seu ponto de vista.
O desejo tem razões que ele quer respeitar.
O tempo passa, porém. E ele fica ansioso.
Partir para a montanha deserta e na solidão
descer até ao encontro de si mesmo. Em vez
de nas cidades barulhentas ter de suportar a
frustração. Mas quem tem coragem
para
afastar-se definitivamente dos
lugares
onde, sem o esperarmos, se pode
corrigir o destino e as intrigas que acerca
dele, na escassez, vamos tecendo?


Santa Barbara, 10 de Setembro de 1994

No comments: